O que você pode fazer para curar o seu Intestino!

O que você pode fazer para curar o seu Intestino!

Imagem retirada do artigo original.

Texto traduzido e adaptado por: Juliana Buchweitz
Artigo original aqui.

O sistema digestivo é certamente a porta de entrada para o nosso corpo. Tudo que se move através de seus intestinos ainda está, em algum sentido, fora do corpo, ou seja, ainda não chegou. Então, quando você come um alimento, o que acontece com isso? Como é que realmente entra? O que regula o processo de absorção?

Uma das primeiras “etapas” digestivas é justamente a interação com bactérias intestinais. Trilhões de bactérias vivem em seu intestino e regulam a degradação e digestão dos alimentos em nutrientes. Essas bactérias são, em de certa forma, como guardas do seu corpo. À medida que os alimentos marcham através de sua trilha digestiva, esses guardas ajudam a manter a ordem e promover processos digestivos de maneira saudáveis. Eles são a sua primeira linha de defesa, e de alguma maneira protegem seu corpo do que é potencialmente tóxico.

Seu intestino pode ser preenchido por bactérias boas ou ruins, e tudo isso depende da sua alimentação! A qualidade de suas bactérias intestinais dependem de quanto mais saudável for seu corpo, menor será sua inflamação e menor risco para doenças auto-imunes e transtornos de saúde mental. Quando você tem mais bactérias ruins do que boas bactérias, seu sistema digestivo tem menos proteção e o resto do corpo é mais vulnerável à inflamação e a diversas doenças decorrentes disso.

A relação entre a flora intestinal e a obesidade é clara em modelos animais. Os ratos sem flora intestinal são mais suscetíveis à obesidade do que os ratos normais. Na verdade, ao transferir a flora intestinal entre os ratos, você pode mudar sua massa  de gordurosa. Adicionar a flora intestinal de um rato obeso a um rato livre de bactérias fará com que o último rato seja obeso. Adicionar uma flora intestinal saudável a este rato não o tornará obeso. Esses estudos exatos não foram realizados em seres humanos, mas foi demonstrado que boas culturas de bactérias promovem o bem-estar metabólico e que nutrindo um ambiente intestino saudável com alimentos pré e probióticos melhora a sensibilidade à insulina, queima de gordura e eficiência metabólica em humanos.

Então a flora intestinal é a sua primeira camada de defesa contra o mundo externo. O que eles defendem tão crucialmente é o revestimento de seus intestinos. Se este forro for violado, as toxinas que, de outro modo seriam excretadas à medida que as fezes atravessam o revestimento intestinal, entram na corrente sanguínea e fazem com que o sistema imunológico entre em pânico (ou seja, aumento da permeabilidade intestinal, resultando em inflamação!).  A disbiose intestinal é uma das causas da inflamação (se não a principal), bem como centenas de distúrbios auto-imunes. Ter um intestino em disbiose devido a um ambiente intestinal pobre é, possivelmente, o único problema que está subjacente a todo o resto no corpo.

O que você pode fazer para curar seu intestino?

Em primeiro lugar, reforce a primeira linha de defesa: sua flora intestinal. Faça isso primeiro, eliminando o uso de antibióticos e limitando os anti-inflamatórios não esteroides como: aspirina, ibuprofeno e naproxeno. Ambas as coisas reduzem o nível de bactérias boas em seu intestino.

Depois de parar de matar os bons, ajude a aumentar sua população. As bactérias que você consome regularmente é uma das melhores maneiras de fazer isso. Os alimentos fermentados contêm grandes quantidades de bactérias benéficas, e, qualquer alimento que contenha uma cultura bacteriana ajudará.

Nosso conhecimento sobre suplementos probióticos ainda é bastante limitado, sendo assim, o próprio alimento acaba sendo a melhor opção.

Por quê? Alimentos fermentados como o chucrute, kombucha, e o próprio kefir fornecem maior variedade bacteriana do que os suplementos encapsulados. Eles também fornecem as culturas no contexto de uma forma natural de ingestão, que é mais familiar e útil para o corpo.

Além de comer diretamente boas bactérias intestinais na forma de alimentos fermentados, você também pode alimentar as populações existentes e ajudá-las a crescer. A boa flora intestinal gosta de comer a fibra encontrada em frutas e vegetais. sendo que eles gostam particularmente de uma forma de fibra chamada inulina, que é encontrado em cebolas e alho-poró, por exemplo.

Os estudos que mencionei anteriormente em ratos com diferentes tipos de flora intestinal também mostraram que os camundongos com excesso de peso perdem peso quando a inulina é adicionada às suas dietas. Estudos humanos mostram que o aumento da inulina melhora a sensibilidade à insulina e promove a eficiência metabólica. A inulina e outras fibras são chamadas de “pré-bióticos”, pois alimentam e nutrem os “probióticos” no intestino.

Na verdade, é bastante importante consumir pré e probióticos, já que os probióticos são principalmente úteis no intestino delgado e os antibióticos são úteis no processo digestivo no intestino grosso.

Como você agora esta focando em aumentar sua boa população, pare de alimentar os bandidos. Bactérias intestinais ruins adotam açúcar processado! O açúcar é o alimento que as bactérias ruins do nosso intestino absorvem com maior facilidade, pois outros carboidratos precisam ser divididos por processos em sua trilha digestiva antes que eles possam ser consumidos. Os açúcares simples não. Uma boa dica é usar açúcares com o índice glicêmico mais baixo, você pode encontrar alguns exemplos aqui.

A flora intestinal ruim consome o açúcar, cria gases desconfortáveis ​​como um subproduto de sua digestão, afasta a boa flora intestinal e habilita as partículas tóxicas a entrar na corrente sanguínea. Isso resulta em um estado de alerta pelo seu sistema imunológico.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.

Pin It on Pinterest

Shares
Share This